AGEMAN e SEMINF acompanham testes da maior estação de tratamento de esgoto da região Norte

A Prefeitura de Manaus, representada pelos engenheiros da Agência Reguladora dos Serviços Públicos Delegados do Município de Manaus (AGEMAN) e da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf), acompanhou, nesta terça-feira (27), os testes das comportas do gradeamento mecânico da nova Estação de Tratamento de Esgoto do Educandos, na zona sul de Manaus.

O projeto está sendo executado pelo Governo do Estado por meio da Unidade Gestora de Projetos Especiais (UGPE) e será repassado à Prefeitura de Manaus. Trata-se da primeira ETE do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus – Prosamim.

A estrutura tem capacidade para tratar até 300 litros de esgoto por segundo e beneficiará diretamente quase 200 mil pessoas com coleta e tratamento de esgoto.

Quando a obra estiver concluída, a ETE Educandos será operada pela concessionária Águas de Manaus, conforme termo celebrado entre o município de Manaus, Governo do Estado e a empresa responsável pelos serviços de esgotamento sanitário da capital.

A nova estação ampliará a capacidade de cobertura do serviço de coleta e tratamento de esgoto da cidade de Manaus que atualmente está em 23%.

Mais de 96% dos trabalhos da ETE Educandos já foram concluídos e as equipes da AGEMAN vem acompanhando a execução do projeto. A previsão de conclusão da obra é para o segundo semestre do ano.

“O repasse dessa estação de tratamento para o sistema público de esgotamento sanitário da cidade de Manaus representará um grande passo na esteira do saneamento básico da capital. É com grande expectativa que estamos acompanhando a conclusão desse grande projeto que tem o apoio do BID e vem sendo executado de forma muito técnica e célere pela UGPE, por meio do Governo do Amazonas, que repassará a estrutura para a Prefeitura de Manaus e, consequentemente, à concessionária Águas de Manaus, que ficará responsável pela operação dessa importante obra, a qual proporcionará mais saneamento básico para os manauaras e menos poluição aos nossos rios”, afirmou o diretor-presidente da AGEMAN, Fábio Alho.

A estrutura é composta de um prédio operacional e administrativo, uma subestação energética, uma planta de tratamento preliminar, três caixas de distribuição, quatro tanques biológicos, dois tanques decantadores, dois tanques anóxicos e um tanque de hipoclorito. Dentre os principais equipamentos estão: sopradores de baixa pressão e ruído vindos da Noruega, bombas de elevação, decantadores, polímeros, adensadores e centrífugas.

 

 

Texto: Tereza Teófilo

Fotos: Divulgação/AGEMAN e Tiago Corrêa/ UGPE  

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *